Posts Tagged ‘Racialismo’

CAETANO VELOSO: “OU NÃO?”

31/05/2010

Caricatura criada por CAU GOMEZ

Não me importo com Dilma ou Serra. Sou Marina de todo o coração”

.

texto de CAETANO VELOSO

(reproduzido do jornal A Tarde, que publicou este artigo simultaneamente com O Globo, em 30.5.2010)

.

Mesmo que tenha sido uma confusão nascida da ignorância de alguns humoristas, é uma honra para mim ter herdado o bordão “ou não” de Walter Franco. Há quem diga que mereço, não a proximidade de Walter, mas as sugestões pejorativas do bordão. Muita gente vê indefinição suspeita no que para mim é independência política. Em tempos de eleição essas reduções tornam-se mais grosseiras. Pois bem: vou pensar em voz alta. Não me importo com Dilma ou Serra. Sou Marina de todo o coração. Se tiver de escolher entre os outros dois, acho que prefiro Dilma, já que, como eu disse na entrevista ao “Estadão” (que ficou famosa por causa da palavra “analfabeto”), Serra está à esquerda da política econômica de Lula (a matéria no Globo com Serra dizendo a Miriam Leitão que “o Banco Central não é a Santa Sé” — com aquelas fotos apavorantes — poderia ser criticada pela “Caros amigos” como alarmismo suspeito, imposto pelo poder dos rentistas). Ou seja, eu prefiriria Dilma porque ela defende a independência do Banco Central.

Aconselho a leitura de “Aqui ninguém é branco”, de Liv Sovik. É a mais complexa e corajosa reflexão sobre raça no Brasil dentre as que vêm do lado dos racialistas. Mas meu comentário, dirigido a Felipe Hirsch, contrastando o racismo popular com o racismo de elite, eu o reenviaria a Sovik. Acabo de chegar da inauguração do Centro Cultural Waly Salomão, em Vigário Geral: grupos de garotas locais, pretas, mulatas e brancas, chegavam bem arrumadas e tomadinhas-banho, sorrindo entre si. Liv diz, com ironia, que “têm razão os que contrastam os EUA com o Brasil, valorizando o quadro brasileiro: para os brancos, especialmente, ele é muito melhor”. Nem uma gota de ironia em minha recomendação do livro. Leiam e verão que ela vai muito além dessa canelada.

Tenho 67 anos. Cresci, amadureci e envelheci ao som da “Aquarela do Brasil”, o nosso hino nacional oficioso, em cujo segundo verso o país é chamado de “mulato inzoneiro”. Nunca vi ninguém estranhar o uso da palavra “mulato” para definir o país. Mas nada me dizia que não houvesse brancos no Brasil. Meu pai era mulato. Minha mãe é branca. Sendo ela de extração mais humilde, era ela quem usava a expressão popular “eles que são brancos, que se entendam”, quando se alegrava por não ter de entrar em certas disputas. Mesmo que fossem entre meu pai e Luís de Gaspar, um preto retinto que era amigo dele. Gaspar era o português que tinha uma loja de ferragens onde Luís trabalhava. Depois Luís abriu a sua própria. Todos diziam “segunda é dia de branco” — quer dizer: dia de trabalharmos para os patrões. Isso independentemente da cor de quem dizia — e mesmo da dos patrões. A ideia arraigada de que somos um país mulato não nos impedia de distinguir explicitamente entre brancos e pretos, ou mulatos, caboclos, sararás. E sempre foi evidente que “branco” indicava vantagens estéticas, econômicas e sociais.


n n n n n n

Liv vai além do habitual: fala da invisibilidade do branco e analisa a mídia. Tudo bem que ela comente textos da “Veja”, mas por que nem ela comenta textos em que Paulo Francis, o mais adorado e imitado jornalista brasileiro, louvava a retomada do projeto de eugenia por trabalhos como “A curva do sino”, que diz provar ser a inteligência média dos estudantes negros americanos inferior à dos brancos? Exibir simpatia por coisas assim era reação aos movimentos negros. Esses movimentos eram necessariamente racialistas. Passou a haver, então, uma reação antirracialista, como, por exemplo, a de Antonio Risério, e uma reação racialista, como a de Francis. A menina que disse a Liv, em Salvador, “aqui ninguém é branco” tem posição próxima à minha, que é próxima à de Risério e avessa à de Francis.

n n n n n n

O presidente Lula ensaiou o anúncio de uma negociação de peso com o Irã. Vejo Lula como um grande personagem épico. Ele pode ser atraído pelas baixezas do populismo. Mas, até aqui, tem pesado mais sua vocação para representar o que o Brasil tem de original. Parte da sua euforia — que pode ser intragável — é reconhecimento disso. É narcisismo salutar, abençoada vaidade histórica. A tentativa de costurar um papo entre os aiatolás e a capitalistada tem, por mais que a analogia com Chamberlain (lembrada por Diogo Mainardi) proceda, mais peso do que todas as outras bolas na trave que ele e Amorim deram antes.


n n n n n n

Sou anticarlista, não fundaria a Embrafilme, não julgo Pinochet pelo que ele deu de útil ao Chile. “The Economist”, falando do óleo no Golfo do México, diz que “o congresso americano deve endurecer a vigilância e aumentar as penas para os faltosos. Mas, infelizmente, não haverá nenhum esforço para dar conta dos maléficos efeitos colaterais do petróleo. Pois vazamentos estão longe de ser o efeito mais deletério da dependência do petróleo de que sofrem os EUA: aquecimento global e financiamento de déspotas estrangeiros vêm no topo da lista”. Essas são palavras editoriais de uma revista liberal inglesa. É por coisas assim que os princípios liberais resistem mais em mim do que a hipótese comunista. O que se sobrepõe a ambas as visões é o sebastianismo de Agostinho da Silva. Este era claramente antiliberal em economia, mas tinha horror a regimes de força. Muitas das suas tiradas são espetaculares. A minha preferida é: “Portugal já civilizou Ásia, África e América — falta civilizar Europa”. Gosto porque falamos português. O mundo lusófono tem sido, há já séculos demais, um ridículo histórico. A mera existência do Brasil parece dizer “chega!”.

.

HISTORIADORA DESARMA O RACIALISMO

03/04/2010

.

LUZIA JEJE

OU SRA. GOMES DE AZEVEDO

.

texto de LUIZ MOTT*

.

A antropóloga e política negra Lélia Gonzáles (MG, 1935 – RJ, 1994) costumava repetir que todo mulato é fruto do estupro do homem branco contra a mulher negra, assertiva repetida acriticamente pelo atual discurso racialista, mas insustentável sob o ponto de vista histórico.

Gilberto Freyre tinha razão quando magistralmente disse: “Não há escravidão sem depravação sexual. É da essência mesma do regime.”

Porém, inúmeras pesquisas comprovam que mesmo reconhecendo a cruel misoginia e frequentes abusos sexuais a que foram submetidas as escravas – índias e negras – assim como as próprias mulheres brancas, vítimas do machismo, patriarcado e falocracia, não obstante, incontáveis “mulheres de cor” seduziram os donos do poder, foram desejadas e amadas com ardor e carinho, tornando-se esposas devotadas.

Estudos recentes sobre escravidão relativizam a exclusividade do abuso sexual na relação entre brancos e negras no tempo de nossas tataravós.

Acabo de participar da banca de doutorado de interessantíssima tese, “As mulheres negras por cima: O caso de Luzia Jeje. Escravidão, família e mobilidade social, Bahia, 1780-1830”, da historiadora feirense [de Feira de Santana] Adriana Dantas Reis Alves, que foi aprovada com nota máxima e louvor na Universidade Federal Fluminense.

Trata-se de estudo minucioso e inédito da união entre um tal Capitão Manoel de Oliveira Barrozo, morador em Paripe, dono do engenho Aratu, que mesmo tendo uma filha branca bastarda, a qual enclausurou no Convento da Soledade, após ter seis filhos pardos com sua escrava africana Luzia, de nação Jeje (do Reino do Benin), alforriou mãe e filhos, casando em face da Igreja com sua negra, reconhecendo seus filhos como herdeiros legítimos.

A preta jeje passa então a chamar-se Luzia Gomes de Azevedo, registrando seus filhos pardos com destacados sobrenomes, como era costume na época.

Mesmo que sejam ainda pouco conhecidos casos semelhantes de tão exemplar amor interracial e interestamental, a ascensão social desta africana e seus filhos mestiços desconstroi a visão racialista de nossa mestiçagem como fruto cruel e exclusivo de abuso sexual.

O amor nunca teve nem deve ter fronteiras.

.

*Luiz Mott – Professor Titular de Antropologia, Universidade Federal da Bahia (UFBa)

.

NOTA DO EDITOR – Mais visões e pensamentos contrários ao racialismo podem ser conferidos nas seguintes fontes:

1) neste mesmo blog, no post que contém o artigo “Cotas e racialismo”, do geógrafo Pedro Vasconcelos:

https://jeitobaiano.wordpress.com/2010/03/28/cotas-e-racialismo/

2) no livro de Antonio Risério A utopia brasileira e os movimentos negros (Editora 34)

3) no blog contra a racialização do brasil :

http://noracebr.blogspot.com/

.