CANDIDATAS A DEUSA DO ÉBANO

As quinze candidatas selecionadas para a final do concurso Beleza Negra, promovido pelo bloco afro Ilê Aiyê para escolha da sua Deusa do Ébano, foram apresentadas oficialmente à imprensa nesta sexta-feira, dia 15 de janeiro, em café da manhã no Hotel Mercure (Rio Vermelho). O concurso será realizado na noite de 16 de janeiro, sábado, a partir das 21h, na Senzala do Barro Preto, na Rua do Curuzu, Liberdade, com presença musical de Lenine, a sambista Juliana Ribeiro e a Band’Aiyê, entre outros convidados.

As candidatas à Deusa do Ébano posam para fotos na piscina do Hotel Mercure, em Salvador. Foto de FERNANDO VIVAS | Agência A Tarde 15.1.2010
Foto de FERNANDO VIVAS | Agência A Tarde 15.1.2010
As candidatas ao lado de Edilene Santos, atual Deusa do Ébano. Foto de FERNANDO VIVAS | Agência A Tarde 15.1.2010

 

BELEZA NEGRA

 

(Texto extraído do site do bloco afro Ilê Aiyê: http://www.ileaiye.org.br/)

 

Há 36 anos, quando do surgimento do Ilê Aiyê, não havia nenhum registro de que uma mulher negra tivesse ousado concorrer em uma competição de beleza. Apesar da população brasileira ser majoritariamente mestiça (este é um fato histórico irreversível), o Brasil sempre exportou um biotipo de mulheres nos concursos de beleza que nunca correspondeu à realidade étnica nacional. Excetuando os concursos de “mulatas” e os “oba-obas” dos “ziriguiduns”, que não passaram pela questão da consciência de negritude, e nem mesmo da valorização da mulher.

Em se tratando de Salvador, Bahia, a questão se agrava muito mais. É só com o surgimento do Ilê que vem à tona a discussão acerca “de ser negro”, da negritude, do padrão de beleza diferente – mas não inferior – dos cabelos, da pele, das indumentárias, da história. Quem somos, de onde viemos, de África, dos reinos e das culturas africanas, de reis e rainhas africanas. O Ilê “botou a boca no mundo”. Cantando, contando e recontando essas histórias através das letras das músicas que, além de elevarem a estima da população negra baiana, “ajudou a Bahia a se enxergar como uma nação negro-mestiça”.

O trabalho de resgate de identidade étnica que o Ilê vem fazendo ao longo dos anos, através da música, tem sido tão relevante que a Bahia mudou seu visual, seu ritmo, seu jeito de ser, falar, alguns costumes e modos de lazer. A importância desse concurso, como parte das atividades do Ilê Aiyê, foi muito mais além do que outro qualquer, pois ele trata da promoção de uma cultura, ou conjunto de culturas, do qual somos herdeiros e transcende as medidas de cintura, quadris, cor de olhos e cabelos. Esse concurso reafirma uma identidade, resgata valores, mostra expressões de cultura, alavanca a comunidade para vôos mais altos.

O ideal seria que no nosso país houvesse muitos concursos em que todos grupos étnicos participassem com igualdade de condições, já que alguns afirmam que vivemos numa “democracia racial”. Assim, nem caberia um concurso de “Beleza Negra”, se o que reza a constituição brasileira, acerca da igualdade de raças, fosse uma realidade.

Vivemos ainda num país machista e racista. Imagine a carga de preconceitos que recai sobre a mulher nesse país, principalmente sendo ela uma mulher negra! Ademais, é corriqueiro, habitual mesmo ouvir das pessoas jargões na linguagem do dia a dia, e até mesmo da imprensa, tais como: “buraco negro”, “a coisa está preta”, “lista negra”, “nuvem negra”, “passado negro”, entre outros, todos indicativos de coisas ou situações ruins, indesejáveis, negativas. Hoje a sociedade já se habituou a ouvir e a falar em “beleza negra”. Graças ao movimento de negritude na Bahia, desencadeado nos anos setenta pelos blocos afros e encabeçado pelo Ilê Aiyê

Um dos maiores objetivos da Associação Cultural Ilê Aiyê é sedimentar a auto-estima na comunidade negro-mestiça de Salvador e propagar a cultura afro-baiana para os mais diversos pontos do mundo. Na “Noite da Beleza Negra”, o Ilê faz isso com o foco direcionado para a mulher negra.

Mas a estética que rege a noite é ampliada. São analisados os trançados dos cabelos, as estamparias do tecido, a graça da dança mas, sobretudo, a candidata deve ter consciência da sua negritude e ser atuante na comunidade para tornar-se vencedora da Noite da Beleza Negra. Por isso, quando o Ilê Aiyê realiza esta Festa está fortalecendo a cultura baiana através da afirmação da consciência negra e da manutenção das nossas raízes.

Na ”Noite da Beleza Negra”, também prestigiada pelo povo e pela intelectualidade nacional e local, ocorre sempre 15 dias antes do sábado de Carnaval.

Anúncios

Tags: , ,

2 Respostas to “CANDIDATAS A DEUSA DO ÉBANO”

  1. batata Says:

    Não tem coisa mais linda neste mundo do que a beleza negra, parabéns bahia

  2. vanda de souza Says:

    ADOREI! AQUI EM SERTÃOZINHO EU JÁ FAÇO O CONCURSO BELEZA NEGRA “ORGULHO DA COR” HÁ 4 ANOS, ELAS DESFILAM COM a CAMISETA DO EVENTO E DEPOIS, EM TRAJES DE GALA [MOÇAS E RAPAZES]. EU TENHO UM PATROCINADOR, NÃO ME COBRA NADA E NÓS O DIVULGAMOS, MAISON THYAGO PEIXOTO [PROPRIETÁRIO.ADRIANO SILVA]. EU SOU PRESIDENTE DA LIGA DAS ESCOLAS DE SAMBA E NÃO SABIA QUE HAVIA ESTE CONCURSO, VOU ADERIR NA CIDADE. OBRIGADA, UM ABRAÇO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: