CANDOMBLÉ PARA ALÉM DO BEM E DO MAL

AUGUSTO CÉSAR

Iroko do Terreiro de Oxossi, em Portão, Lauro de Freitas. Foto: REJANE CARNEIRO | Agência A Tarde 14.1.2009

por VILSON CAETANO DE SOUSA JUNIOR*


O problema do mal é difícil e complicado de ser entendido, um mistério que ainda hoje está para ser desvendado. Em linhas gerais quando nos referimos ao mal, nos remetemos logo à figura do Diabo entendido como adversário de Deus, espírito sedutor, enganador e aniquilador de almas.

Se não podemos prever o momento do surgimento da noção do mal, a imagem do Diabo, ao contrário é algo historicamente construída, fruto do encontro de crenças antigas vindas, ora do Judaísmo, ora da Grécia, ora de Roma, ora dos Persas, ora dos Iranianos, ora do Cristianismo que a partir do século XVIII recorreu à imagem do Deus grego Pã, deus dos campos, dos camponeses, com chifres, cascos, rabo, orelhas e partes inferiores do corpo peludas. O tridente teria vindo de Netuno, deus dos mares.

Não vamos, todavia, nos deter nesta discussão que contemporaneamente foi abandonada pelos seus principais difusores dentre nós, a exceção das chamadas igrejas neo-pentecostais onde tal figura aparece com “toda força”, provocando desgraça na vida das pessoas ou até mesmo se apoderando do corpo delas, daí a importância do chamado exorcismo, termo que ao passar do tempo cede lugar para a palavra “expulsão”, esta certamente mais forte.

O MAL PERSONIFICADO

Desde a Antiguidade, o que muda quando nos referimos ao mal é apenas a sua concepção. Em outras palavras, há momentos em que o mal faz parte da natureza do sagrado, e outro onde ele é personificado.

Esta última abre uma série de problemas a começar pela ideia de que se o Diabo não foi criado por Deus, então ele se autocriou; logo, ocuparia o mesmo nível da Divindade do Bem.

Aqui paramos esta discussão, pois tanto os povos ameríndios quantos os povos africanos não conheciam estas ideias, embora nunca tivessem ignorado a noção do mal.

Pena que quando esse mal personificado atravessou o Oceano Atlântico com os missionários católicos, ele ganhou a aparência de nossos índios e africanos, ele foi colocado no nosso corpo, legitimado pelas nossas características físicas.

Ainda hoje, as religiões de matriz africana são associadas ao mal. Eu mesmo, cresci ouvindo que “candomblé era coisa do Diabo”.

Não poucas vezes sou interrogado: “Por que o candomblé faz o mal para as pessoas?”. Sem contar a série de artifícios narrados por alguns para justificar a falta de dinheiro, doença, separação,até mesmo a morte realizada pelos chamados “candomblezeiros”, em outros estados “macumbeiros”, “catimbozeiros”, “juremeiros”, assim por diante.

Nestas ocasiões antes mesmo de irmos ao embate com a pessoa é melhor ouvir – quem sabe não aprendemos alguma coisa?

Fato é que vivemos no mundo do medo. O medo no mundo moderno é uma realidade, sem falar do fato que historicamente demonizamos sempre o diferente, aquilo que achamos feio. Demonizamos para dominar.

É bem certo que se não tivéssemos o desejo de impor as nossas verdades, o Diabo como uma personificação do Mal não existiria e esse último seria visto no mundo como contingente, passageiro, algo em que não nos ocuparíamos nem com a sua origem nem com o seu começo, mas infelizmente temos que enfrentá-lo.

EXU NÃO É A PERSONIFICAÇÃO DO MAL

Vários autores se debruçaram a fim de dar uma explicação sobre a associação da figura do Diabo ao orixá Exu, ou ao Nkice Nzila, ou ao Vodun Elegbara.

Como não sou especialista em Demonologia, estudo sobre as representações do demônio, vou me limitar a falar sobre estes princípios de comunicação, pois esta é a função que estes ancestrais cumprem dentro das religiões afro-brasileiras.

Para que imagem mais bonita do que a de Nzila, literalmente o “caminho”, mas não qualquer caminho, “todos os caminhos”, caminhos que formam as linhas, demarcam os pontos cardeais, caminhos que se atravessam, se recortam, se redefinem, se criam, recriam-se o tempo todo, caminhos que se encontram no centro de todos os caminhos para dali partirem novamente para o mundo, a encruzilhada.

Geralmente quando vou falar especialmente sobre o ancestral Exu utilizo a seguinte imagem: quando você envia uma carta para alguém, há um remetente e um destinatário. Exu é o caminho imaginário entre estes dois.

Sem Exu, a carta nunca chegaria ao seu destino, mas é Ele mesmo que nos faz andar, pular, saltar, ter êxito, vontade, alegria, falar, daí um de seus nomes Elegbara, senhor do corpo, corpo negro e negra que dança, samba, ginga, é lugar de oração, mas é o tempo todo estigmatizado porque é negro.

Bara significa corpo, caminhos. Exu é tudo isso. Sem esse princípio nada se concretiza.

Infelizmente algumas pessoas ainda concebem esses ancestrais como a personificação do mal sugerida pelos missionários católicos e atualmente as igrejas neopentencostais. Assim são chamados de “escravos dos orixás”.

É digno de nota que no contexto da escravidão, momento onde as religiões de matriz africana foram reelaboradas, o medo também foi utilizado pelos africanos como defesa, e, certamente, acabadas todas as esperanças, apenas lhe restaram estes ancestrais cuja concepção estava ligada ao próprio corpo.

Num período mais adiante quando os ancestrais foram concebidos por uma religião brasileira que acabava de nascer, a Umbanda, Exu foi de fato identificado com o Diabo, mas não com a personificação do mal.

Se de um lado ganhava-se, como alguns acreditam, com a valorização de algumas classes marginalizadas, deixava-se de lado parte de uma das maiores contribuições das religiões tradicionais africanas às religiões afro-brasileiras ao incorporar velhas dicotomias como bem/mal; luz/trevas; dia/noite; espírito/matéria.

SANTOS QUE A ÁFRICA NÃO VIU

E a chamada Pombagira? Nada mais é do que a expressão Npombo Nzila mal ouvida, o que chamamos de corruptela do nome, o que nada tem a ver com a sua representação, uma mulher de saia que exibe sensualidade.

Maria Padilha é outra imagem a parte. Essa, sim, ora é portuguesa, ora é espanhola. No romance surgido no século XIX aparece como uma das amantes do rei de Castela. Foi trazida ao Brasil na memória das órfãs ou mulheres degredadas que tiveram contato com o imaginário que inspirou o escritor a escrever a obra chamada Carmem, que conta a paixão de um homem por uma cigana que arruína a sua vida.

São apenas dois exemplos de “santos que a África não viu”, ao lado de tantos outros que são associados ao Diabo porque estão mais próximos dos seres humanos.

A TENTAÇÃO E O BEM ESTÃO NO MUNDO

Mas voltemos à questão do mal. Em linhas gerais ele não é personificado, o que não nega a sua existência. Como se ouve em alguns terreiros “a tentação está no mundo”. Devemos fugir dela. Devemos passar pelo mundo sempre fazendo o bem, fazendo o bem a tudo e todos. Diante de algumas situações devemos demonstrar fraqueza, para assim irmos levando a vida.

Mas o que é o bem? O bem também está no mundo, devemos buscá-lo sempre. Se estivermos sempre em busca do bem, o mal nunca chegará até nós, nunca nos enxergará, pois eles andam um ao lado do outro.

O bem está ligado a tudo que junta, ou como se ouve dos tios e tias “que ajunta”. O bem é tudo que mantém o universo integrado, pois fomos feitos para compor o Universo. É o ajô, por exemplo, a união, integração, tudo que faz retornar à comunidade. O contrário é o ejó, o que separa, o que rompe, o que desintegra.

Se somos parte da teia, o princípio é que devemos sempre procurar estarmos agarrados a ela.

NÃO HÁ PURO BEM, NEM PURO MAL

Há um provérbio que nos ajuda a entender um pouco mais esta visão:

Não há bem que seja puro bem e não há mal que seja puro mal”.

Ou ainda aquele que diz:

Não há mal que sempre dure, não há bem que sempre perdure”.

Talvez isso nos ajude também a entender a história de um viajante que atravessou dois continentes para chegar até uma casa de candomblé para “colocar uma mesa”, como se falava anteriormente antes de a expressão jogar búzios entrar na moda. Antes mesmo do viajante chegar até o local onde se realizavam as consultas, a sábia Iyalorixá, profundamente conhecedora e respeitadora de suas tradições, já havendo sido alertada pelos orixás, após ter submetido o viajante a algumas horas de espera a fim de “descansar o corpo da rua”, ou mesmo fazer-lo desistir da intenção, saiu rapidamente olhou para a pessoa e com voz forte altiva falou:

Estava mesmo lhe esperando, já chegou até aqui, veio de tão longe, descansou o corpo, esfriou a cabeça, agora vá em paz meu filho, você já encontrou a resposta que queria, nesta casa não tem o que você veio buscar, pois eu não conheço segredo para o mal.

A pessoa baixou a cabeça, lacrimejou e entendeu que caminho semelhante ele poderia ter feito para buscar o bem. Entendeu também que o mal na vida deve ser visto como contingente, ele é o que menos importa, ele serve muito mais para quem acredita que pode realizá-lo, do que para quem é capaz de receber.

Na dúvida era melhor retornar ou sair pelo mundo a procura do bem, pois somente este garante a nossa permanência na teia da vida.


*Vilson Caetano de Sousa Junior – Doutor em Antropologia, professor da Escola de Nutrição da UFBa, filho do Terreiro Pilão de Prata

Anúncios

Tags: , , , ,

8 Respostas to “CANDOMBLÉ PARA ALÉM DO BEM E DO MAL”

  1. ANDRÉIA DA SILVA Says:

    bem, diante de todas essas informações, não entendi. afinal essa religião pratica ou não o mal. bjs, me responda por favor, boa noite……..

  2. Maria José Says:

    Se todos praticarmos a justiça, a caridade e o amarmos ao outro como amamos a nós mesmos, não importa a que religião pertençamos, pois o bem assim será maior que o mal praticado. Desde que religiosidade é a maneira do homem se unir a Deus, todos os caminhos conduzirão o homem de volta a Deus = Amor.
    Muito bem escrito e bem esplanado o contexto bem e mal. Vale para todas as formas de religiosidade.

    Em nota ao comentário da Andréia (acima), ela deve reler o texto para maior compreensão do que foi dito (escrito).

  3. Ogan Douglas De Xango Says:

    !!!Parabéns!!!
    Esta é a pura verdade que nem todos veem
    Tenho 16 anos, sou ogan, não sei muito de candomblé, mas esta é a mais pura realidade

  4. Peter Says:

    Cara Gostei do post não foi o que eu estava procurando mas li e refleti sobre todas as partes dele, e o que acredito é que o bem e o mal não estão em nenhuma das religiões mas sim nos próprios homens que são quem o criam, e querem descarregar a culpa em outras entidades para não assumi-la.

  5. marcelo Says:

    Lindo, sábio estou mais tranquilo para fazer minhas escolhas , significa que nossa sociedade bela cheia de riqueza com aparências falsas, com sócio econômica (capitalista ou comunista) que mais escraviza e alienam nossa cabeça para enriquecermos uma minoria sem cifres
    ou cores independente do local, o mal tem outra cara. ganancia orgulho e egoismo.

  6. Michele Says:

    Tem dias tão tristes, que tudo o que queria era que o diabo existisse, me propondo pactos.Seria como acreditar que uma alma deprimida pode ter importância…

  7. WALTER MATHIAS Says:

    PARABÉNS!!!!
    O que mais chama a atenção em relação ao santos que a África não viu é que existem muitas Casas de Santo que cultuam Pombagira sem ao menos saber quem é Npombo Nzila, e outros mais. Mas fazer o que? Temos mesmo é que parabenizar alguém quando encontramos escrevendo e ensinando as futuras gerações do Candomblé.

  8. julio cesar Says:

    Eu acho assim não e culpa da religião não pq bem eo mal sempre andaram juntos eu frequento sempre fizeram bem ajudam sempre não tem cor ou raça somos irmãos de santo .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: