SALVADOR, A CIDADE DAS CHUVAS

De guarda-sol na chuva

Antonio Risério*

Vamos direto ao assunto. Chega desse papo furado de que a Cidade da Bahia é sinônimo de sol. O que mais temos, aqui, são chuvas. Logo, qualquer prefeito medianamente inteligente tem de se ver obrigado a pensar o seguinte. Esta não é uma cidade que precisa se fantasiar para o sol. Mas, sim, se preparar para as chuvas.

Salvador é uma cidade com uma espantosa capacidade de produzir discursos ilusórios sobre si mesma. Discursos míticos e mistificadores. Nestas direções, agem conjuntamente (embora não necessariamente de forma coordenada ou pelas vias da cooptação) o aparelho estatal, os intelectuais e muitos artistas. Assim foram criados muitos mitos baianos. E que conseguiram se nacionalizar pelo simples e eficaz fato de que conseguiram fazer com que os próprios baianos acreditassem nesses mitos.

A Bahia emitiu para o Brasil a mensagem de que aqui vive um povo ensolarado, preguiçoso, impontual, relaxado, sensual e feliz. Este foi um discurso elaborado, simultaneamente, por políticos, gestores públicos, empresários, escritores e músicos populares. Mas resiste o mito à menor análise dos fatos? Claro que não.

Caymmi virou o símbolo nacional do charme, do dengo e da preguiça da Bahia. Mas quem disse que baiano é impontual e preguiçoso? Se de fato fosse, o Polo Petroquímico de Camaçari simplesmente não funcionaria. Baiano trabalha – e muito. Caymmi nunca foi a regra. Mas, sempre, a exceção. Os baianos que acreditaram nessa história estão a ver navios.

Gostamos também de acreditar que fazemos sexo como ninguém. É outro mito. Fazemos sexo como o fazem muitos outros povos. Se baianos fossem assim tão gostosos, muitas das mulheres aqui nascidas não estariam vivendo hoje em outros países – da Europa ao Canadá – e alegres e felizes da vida com os maridos que escolheram ter.

Os mitos da preguiça e da sensualidade, todavia, não são diretamente prejudiciais à nossa vida cotidiana na cidade. Já o mito do sol, sim. Nos prejudica demais. A gente se comporta como se, em Salvador, o sol reinasse o ano inteiro. E não é o que acontece. O sol, aqui, é um ilustre e passageiro visitante. Um visitante que nunca se dignou a se demorar no céu da cidade.

Mas gostamos de pensar o contrário. Achamos que vivemos sob o signo do sol. É uma tremenda mentira. Salvador é uma das cidades com os mais altos índices pluviométricos do País. Chove aqui o ano inteiro. O sol, entre nós, tem um breve reinado. Vai, no máximo, de novembro a fevereiro. Ainda assim, em meio às chamadas chuvas de verão. Durante o resto do ano, é chuva e chuva e mais chuva.

Esta é uma cidade de céu predominantemente cinzento. De ruas e becos alagados. De enxurradas descendo dos morros. De riachos transbordando. De casas se movendo perigosamente nas encostas. De águas arrastando barrancos e barracos. De dezenas e dezenas de deslizamentos de terra. De crianças encharcadas, tossindo, chorando pela noite fechada, cheia de lama.

E, no entanto, continuamos a acreditar que Salvador é a cidade do sol. É impressionante a facilidade com que mentimos para nós mesmos. Foi por isso mesmo que fiz minha novela A Banda do Companheiro Mágico se passar sob um aguaceiro. Onde, entre outras coisas, escrevi:

Chove no Brasil Atlântico Central. Chove mais ainda no Recôncavo baiano. Chove ainda mais na capital baiana. Chove sem cessar na falha geológica de Salvador. Chove, chove, chove. Cidade de chuvas densas. Cidade das águas bruscas”.

Todo ano, entretanto, as pessoas me dizem: “Está chovendo demais”. Não, não está chovendo demais, está chovendo como sempre. Como sempre chove todo ano. O problema é outro. É que todo mundo embarcou na canoa furada ideológica da cidade ensolarada. Mas onde é mesmo que fica esta Salvador, cidade do sol? Aos mais de 50 anos de idade, tendo nascido aqui, ainda não tive o prazer de conhecê-la. Cidade do sol, meus amigos, é Fortaleza. Salvador, não. Nunca.

É estranho que os moradores locais, abrindo guarda-chuvas e metendo o pé na lama, não vejam isso. Mas muito mais estranho ainda é que administradores públicos caiam também, e com gosto, nesse conto do vigário do sol. Eles deveriam ter um mínimo de sensatez e realismo. E, em vez de executar frescuras de veraneio, fazer coisas mais sérias para as chuvas.

* Escritor. E-mail: ariserio@terra.com.brAntonio Riserio

(Transcrito da pág. de Opinião de A Tarde, 9/5/09)

Anúncios

Tags: , , ,

3 Respostas to “SALVADOR, A CIDADE DAS CHUVAS”

  1. Lourenço Mueller Says:

    Caro Risério,
    É útil que v. use sua ênfase (des)mistificadora e iconoclasta também para balançar as redes; a palavra (des)encantada e (des)encantadora é propícia neste momento de dor que nossa cidade atravessa.
    Sobretudo é legal que chegue aos políticos e às pessoas que decidem – e são tão poucas de fato… – para que saibam que existe muito de falso nessa imagem de Salvador e se ocupem mais um pouco da cidade durante o verão de quase 40 graus (antes não chegava aos 30 graus) enquanto está tudo seco e as encostas não caem, para repensar a cidade, embora v. seja cético sobre isso como tb já escreveu antes na revista que morreu, ótimo artigo, citei-o na Tribuna.
    Embora eu ainda acredite mais nas isoetas que indicam chover mais em Caixa Pregos do que em Salvador, tb é válido ser um pouco shakespeareano em sua diatribe e colocar esta cidade mais encharcada do que o Recôncavo.
    Vale tudo. Só não vale perder a esperança nas soluções possíveis, porque há muitas, você sabe disso, basta quererem.

    Um leitor seu,
    Lourenço Mueller (arquiteto e urbanista)

  2. mga Says:

    Risério, que delícia de texto, precisamos mesmo acabar com essa “lenda urbana” de que SSA tem sol o ano inteiro. Como baiana radicada em São Paulo, sei bem o quanto essa afirmação é falsa. Gde abraço

  3. Sandra Queiroz Says:

    Rogério, a veracidade da frase “Salvador Cidade do Sol” não precisa de confirmação pública, a prova é que o ano todo encontramos turistas que chegam de vários estados do Brasil e de outros países. Faça uma pesquisa no inverno e veja qual é o estado que mais recebe turistas o ano todo para curtir férias na CIDADE DO SOL. :))
    Aqui chove? Claro q sim e graças a Deus, agora se você me disser qual o estado que chove e não causa alagamento, caos, desabamento, engarrafamento, transtornos, principalmente nos bairros mais pobres TE DOU UM PRÊMIO.
    E com certeza Salvador ainda é, e se Deus quiser continuará sendo, A CIDADE DO SOL. Amém!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: